terça-feira, 25 de agosto de 2015

Cultura, p*taria, ou cultura da p*taria?

A maior hipocrisia do cenário heavy metal no Brasil (e nas partes da Europa infestadas de headbangers brasileiros, claro) é o tratamento dado à maioria das mulheres que de alguma forma, fazem parte desse meio. Seja na mídia, na produção, na primeira fila ou no backstage.

Hoje, vamos falar de algo do qual todo mundo fala, mas ninguém faz, não admite que quer fazer, e mesmo assim não faria porque é meio assustador se sujeitar a esse tipo de coisa no Brasil. Tabu total. Polêmica. Mamilos. 

Uma das cenas mais clássicas do rock são as garotas de jeans levantando as camisetas e mostrando os peitos pra banda. Geralmente elas fazem isso empoleiradas nos ombros dos próprios namorados. Lá, é quase uma piada, um gesto de saudação meio obsceno - como a proposta da filosofia roqueira em si.
Um show qualquer do SteelPanther... (Imagem: Google)

 Faz aquilo no Brasil pra você ver. Primeiro, teu namorado te joga pra galera e sai andando enfurecido, enquanto geral vai te dar uma curra ali mesmo, sem dó. Em uma descrição mais nobre, o macho da espécie humana nascido e criado sob a cultura popular machista típica do Brasil, "jamais" admitiria que sua namorada mostrasse os peitos em público. Talvez ela até desse risada se o namorado mostrasse a bunda num show (outro gesto típico do rock em geral). Mas aqui no Brasil, onde os nativos andavam nus, MOSTRAR OS PEITOS PRA BANDA É COISA DE VADIA.


E outra: a não ser que você seja muito mais louca do que a média e esteja muito segura de si e da sua galera, se você for brasileira, geralmente você não vai fazer isso mesmo. Porque é o tipo de exposição que te deixa vulnerável a um estupro coletivo. Eu tenho menos de um metro e meio, mas não gosto muito de ser carregada nos ombros durante os shows, porque o meu traseiro fica meio empinado e eu -SEMPRE- levo um tapinha.

Não dói na bunda, dói na dignidade.


Essa aí resolveu mostrar numa apresentação de piano clássico, porque achou mais seguro. (Imgem: Google)
E, para os que não prestaram atenção em nada do que eu escrevi, porque ainda está se perguntando se eu já mostrei os peitos na platéia: Não, eu nunca mostrei os peitos na platéia. Mas sou totalmente a favor de que as mulheres se sintam à vontade pra fazê-lo, sem ter que se preocupar com ninguém invadindo o espaço dela, julgando, apontando. Vazar foto pra Intenet é uma conseqüência que a moçoila deve considerar antes de sair se empolgando, mas também  essas conseqüências ficam só pra ela.



Aqui, não: pode ter CERTEZA que vão tentar pegar no seu peito. E esbarrar na sua bunda. No Rock In Rio, no Monsters, no metrô, no busão, no trem, até no elevador..!
  IMAGINA se uma coitada que passa por essa m*erda todo dia se atreve a fazer tetalelê. O povo vai achar que é uma libertina, montada num corno manso. Ah, vão cagar.

Aposto que se ela tivesse saco, mostraria também. (Imagem: Google)


No tal do Mardi Gras, quanto mais você mostra os peitos, mais colares de plástico inúteis você ganha! (Imagem: Google)



O fu(n)k carioca e muito do pagode e axé já objetizaram for export a beleza e sensualidade de nossas mulheres. A tia pode estar usando roupa de esquiar, mas se estiver dançando na Boquinha da Garrafa, já f*deu tudo. Mostrar os seios, as tetas, os peitos grandes, pequenos, murchos, com todos os tipos, tamanhos e cores de mamilos é MUITO MENOS VULGAR do que esse troço de agachar e ficar empinando o fiofó.



Ok, o heavy metal é machista, mas suas mulheres são poderosas.

Ou alguém aqui acha que a Doro tem medo do Eddie? As mulheres do metal estão muito ocupada matando dragões pra ficar desperdiçando tempo com recalque de baranga.

@Google Images











Nenhum comentário:

Postar um comentário