sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Nostalgia nacional

Não é surpresa pra mim que, depois de anos congelada, eu já não conheça nenhuma das bandas novas que fazem sucesso por aqui, nem tenha a mínima noção do que a galera pós-Black Jack esteja curtindo. Mas com certeza o que eu não esperava era essa aparente ausência de destaques no metal nacional.
Cartaz do BMU 2001. Lembro de ter surtado com o line up...
Talvez fosse só a minha impressão, mas parece que no meu tempo (caraca, lá vou eu falar que nem vó de novo!) o underground fervilhava muito mais. Eu lembro do frisson que foi o show de lançamento do Shaman no Via Funchal. Se eu não me engano, foi o Karma que fez a abertura, e foi nessas que eu me apaixonei pelo som deles também: geral chamava de "power-prog metal".  Hoje em dia eu confesso que nunca entendi essas merdas de "power", "prog", "technical", "symphonic", "phodastic" metal.


Capa do CD "Inside The Eyes" do Karma
Só sempre achei a música dos caras muito foda: criativa e bem trabalhada, por músicos talentosos que funcionavam muito bem em conjunto. Falo tudo no passado porque me refiro especificamente ao CD "Inside The Eyes", que é um dos álbuns que mais me impressionou nessa vidinha de heavy metal. Depois, como eu já falei (não é brincadeira, gente!) , eu fui pro mato, virei Ajuricaba e não sei de mais nada, nem do Glory OperaFui eu que sumi, foram as bandas, ou foi a divulgação?





Na minha época, Karma era grande coisa..! E o que aconteceu com o Delpht? Poxa, eu me lembro que, em 2002 eu fui convidada para o show do Sonata Arctica...até então eu não ligava muito pra Sonata Arctica, mas era pirada no Delpht. E lembro de muitos amigos que encontrei naquela noite (e, puts, tava todo mundo lá..!),  falando que o show tinha sido do caralho. Ouvi isso até dos meninos do Sonata. Representou grandão, repercutiu na mídia especializada (outra boa resenha aqui) , e a apoteose veio com a participação do vocalista Ronaldo Simolla. Alguém ainda sabe do que eu estou falando? 

Pois é. Na época só se falava disso. Angra e Dr.Sin tinham cacife de atração internacional. E sempre tinha um brasileiro fazendo projeto com os "bruder" lá da Alemanha, ou Finlândia, ou Suécia (aliás, esses lugares pareciam mais perto que Paraguai).

Os fadinhos fodões do Tuatha de Danann

E Tuatha de Danann? Li alguma coisa sobre o Rodrigo Berne recentemente ter anunciado sua saída da banda. É quase surreal pensar que uma árvore desse tamanho cai sem fazer barulho hoje em dia.





O vocalista Rogerio Fichi era o colírio das fifis do ABC

Eu tinha um poster do Transfixion na porta do meu quarto. Torcia pra ter show do Tiger Cult. E After:Life, Symbols, gente, é até injusto começar a citar nomes de bandas "underground" que tinham um bom prestígio no cenário nacional. Garanto que as fifis da minha época conseguem nomear mais umas dez.

A gente conhecia a cena. A gente curtia a cena. O que aconteceu com o nosso meio onde antes pipocavam coisas legais, e agora o único assunto em comum parece ser o Big Brother?



Outro dia fui apresentar Dark Avenger pra uma fifi novinha (mas maior de idade). Pô, Dark Avenger. Os caras são tipo pais, senão avôs do power metal nacional (nem sei em que geração chegamos). E ela não conhecia. Mostrei, ela curtiu. Claro que curtiu: Dark Avenger é do caralho. Onde estão os novos fãs?  Santarem, Sagga, Fates Prophecy... Não foi por falta de talento.

Divulgação do show do Dark Avenger no próximo dia 15/03 


Não tô polemizando, só lamentando, acho. E resmungando que nem uma velha rabugenta de novo.



Nenhum comentário:

Postar um comentário