segunda-feira, 27 de novembro de 2017

"EX-MÚSICA" : Como se divorciar da trilha sonora de um relacionamento?

Aí  você conhece  aquela pessoa especial. Divide aqueles momentos incríveis, e é claro, como bom amante de música, logo elege aquela playlist recheada de faixas que vocês gostam de ouvir juntinhos. As baladas que ela canta, os riffs que ele mais curte... E quando vocês dois se conheceram justamente em um show? Música do "mozão" todo mundo tem. Mas e quando o amor acaba?


Tem gente que já passou do amor ao ódio por uma banda por causa disso. "Nos conhecemos no show do Helloween em 2003. Eu era fanática, tinha todos os álbuns, e ele era tão fã quanto eu. Acabou me trocando por uma outra menina, que conheceu também por causa do Helloween e era próxima dos caras da banda. Pode ter sido imaturidade minha, mas peguei ranço do "Rabbit Don't Come Easy" e nunca mais quis ouvir Helloween" - confessou uma amiga que este ano esteve presente no show Pumpkins United "pra rever os amigos e superar de vez o trauma".

Do outro lado do palco essa associação quase inevitável de romance e música também cobra suas conseqüências emocionais. Conheço um músico que compôs uma canção inspirada em uma garota. "O relacionamento não deu certo, mas a música fez sucesso. Ela se casou com outro cara, e eu ainda tive que lidar com aquela música no setlist um tempão."

E quando @ "ex" foi quem te apresentou sua banda/ música favorita..? "No começo é difícil, mas a gente supera." - me contou a Maria Eduarda, guria de São Paulo que aprendeu a curtir Evanescence com o ex (coincidentemente também chamado Eduardo). Eles mantiveram a amizade depois do fim do relacionamento, e até marcaram de se encontrar no último show do Evanescence por aqui, mas ele não apareceu. "Será que a atual ficou com ciúmes?"

E vocês? De qual banda ou artista já tiveram que "se divorciar" quando o relacionamento foi pro case?




quinta-feira, 23 de novembro de 2017

KOTIPELTO & LIIMATAINEN : BLACKOUSTIC confirmado no Brasil !



No começo de 2012, usando o pseudônimo (meio bocó) de Helena Troijan, o Whiplash! publicou minha matéria sobre o dueto acústico formado pelo vocalista TIMO KOTIPELTO (Stratovarius) e o guitarrista JANI LIIMATAINEN , na época um pouco "sumido" da cena após seu desligamento da Sonata Arctica e o pouco reconhecimento de sua banda Cain's Offering por aqui.

Em abril do mesmo ano, no mesmo site e ainda sob o mesmo pseudônimo (dá um desconto, tava rolando uma vibe 'tragédia grega'..!), também foi minha a honra de trazer a primeira notícia em português, de que um repertório de favoritas do show iria ser lançado em CD.

(Nas duas vezes, cês cagaram e andaram pras minhas notícias.)

Em agosto daquele ano, eu acabei fazendo minhas malinhas e fui conferir ao vivo a performance acústica desses dois ídolos do power metal finlandês. E voltei mais apaixonada do que nunca. Com o CD na mão, em 2013, também tive um texto publicado no WikiMetal a respeito desse trabalho.

Em 2014 dediquei minha primeira (escalafobética e única) vídeo-resenha à análise do álbum BLACKOUSTIC, que traz versões acústicas de músicas do Stratovarius, Sonata Arctica, The Who, Gary Moore, entre outros - além da inédita "Where My Rainbow Ends" e a faixa em finlandês "Karjalan Kunnailla".Vou até postar de novo esse vídeo xuxu pra vocês, a despeito desse meu figurino "mara"...:

Mesmo assim, ainda demorou um pouquinho pros anjos (ou o Eric DeHaas, da Dynamo Brazilie, que é quase a mesma coisa) ouvirem minhas preces: Só em setembro passado, nosso blog pôde dar em primeira mão, o anúncio da primeira turnê Sul-Americana.

 Aí, sim, bombou !!..E agora...finalmente... depois de todos esses anos, eu posso publicar aqui 🙌🙌AS DATAS DOS PRIMEIROS SHOWS NO BRASIL!!🙌🙌

Blackoustic_SA_Dates_2017
Imagem: Reprodução/ Facebook



A turnê começa pelo RIO DE JANEIRO, no dia 18 DE ABRIL. No dia seguinte, 19 DE ABRIL (dia do Índio!), eles vêm para SÃO PAULO, onde o show acontece no Manifesto Bar (see you there!).

Acho que as pessoas não vão reconhecer o Jani por esse cartaz...Mas tudo bem. 😂😂


 E pra não perder o ritmo louco, embarcaremos para LIMEIRA: no dia 20 DE ABRIL quero ver aquele Bar Da Montanha lotaaaaaado, para que depois do show em PORTO ALEGRE, no dia 21 DE ABRIL (olha o feriado de Tiradentes, aí!), os 'meninos' se despeçam do nosso país com a certeza de terem vivido os melhores momentos de uma turnê imbatível.

Cartaz do show em Limeira...


...parece bastante com o cartaz do show em POA, olhaí! :




Então...QUEM DISSE QUE SONHOS NÃO SE REALIZAM? Mal dá pra acreditar, depois de tantos anos, faltam menos de duzentos dias pra ter isso aqui bem pertinho, pra curtir com os amigos, comentar em português,  assistir tomando caipirinha e gritando : "TOCA RAUUUUUL..!" 😍😍😂😂




Aguardem novidades, updates, e mais umas 4.826.958 posts a respeito dessa turnê!

😍😍😍VEM, BLACKOUSTIC..! 😍😍😍

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

DARK DIMENSIONS FOLK FESTIVAL 2017 : Um Ragnarök subequatoriano no Dia da Bandeira !

"Gente linda aos montes, no palco e fora dele!" : essa definição seria o resumo mais raso, fútil e mundano possível do DARK DIMENSIONS FOLK FESTIVAL de 2017. Mas é meio inegável que essa tribo Viking-Tupinambá da América dos Trópicos é um dos povos mais lindos do heavy metal, vamos combinar. E esse tipo de fifizice eu não deixo passar batido. *rs*

Cartaz do Festival (divulgação)

E todo esse beautiful people se reuniu em peso no Carioca Club Pinheiros para curtir ARMORED DAWN, ELVENKING, KALEVALA e ENSIFERUM no último dia 19 de Novembro. Muita gente caprichou no figurino, na maquiagem, e entrou no "Lai Lai Hei da Alegria".

As VikQueens fazendo cara de Helga pra sair nórdica na foto.  (foto: Bianka Hali)
Um prazer imenso voltar ao Carioca Club, aliás. É uma casa redondinha: bem estruturada, bem localizada,  com um botequinho supimpa pra fazer "esquenta" lá fora, e ainda precinhos módicos e petisquinhos honestos lá dentro. De qualquer lugar do salão dá pra ter uma boa visão do palco, e o mais importante:  rola uma acústica bem legal lá dentro. E particularmente, eu sou só elogios para a equipe de pessoal, também. Sempre me senti bem atendida e bem recebida lá, inclusive pelo proprietário, um figuraça gente boníssima e muito querido por todos em volta, que não pára de trabalhar e socializar com absolutamente todo mundo. (*risos*). Mas dessa vez disseram que ele tá dodói. Uma pena, esse foi o tipo de evento que ele teria gostado de ver. Não é todo dia que a casa enche de princesas guerreiras e barbudos de cara pintada, bebendo hidromel em chifres.

A very dear Priscilla Rodrigues, o casal de tops Bianka e Regis, a lutadora Liih Neres (XTreme Gold Team), o guitarrista Renato Domingos (Armahda) e o superfotógrafo Edu Lawless. (foto: Bianka Hali)

Quem não tivesse seu próprio drinking horn, poderia comprar nos estandes que vendiam e expunham outros itens de cultura folclórica nórdica. Martelos, escudos, acessórios...e hidromel. Na divulgação do evento também estavam anunciadas umas lutas nórdicas...Não sei se eu que não prestei atenção, mas fora uma rodinha de bêbados sorridentes, não lembro de ter visto luta, não...😔

An Elvenking and a Hobbit Princess...  (Foto: Liih Neres)

Com a casa já bem cheia, nossos anfitriões brasileiros do ARMORED DAWN iniciaram os trabalhos um pouquinho mais tarde do que o previsto, mas parece que a galera não se incomodou. E todo mundo entrou no coro na hora de "Gods Of Metal". Não sei dizer se é a melhor faixa deles, mas que com certeza é a mais contagiante, apaixonante e delicinha de curtir ao vivo, pra mim é mesmo..! Gente, cês sabem que eu não resisto: quanto mais power, mais metal, mais "heróico o brado retumbante" da pohatoda soa, mais empolgada eu fico.

É que eu ainda não consegui achar um vídeo desse momento do Dark Dimensions Folk Festival...  mas se você nunca teve a experiência de presenciar Armored Dawn no palco, --> clique aqui <-- e veja como ficou a situação no último show no Tropical Butantã, com o De La Tierra. Povo tem razão, eu preciso entrar no Século XXI e ter um celular com câmera... *rs*

E, de fato, LEMBRAR de tirar as fotos, ao invés de ficar...err.. "roubartilhando" dozamigue.

Com Liih Neres e o baterista Rodrigo Oliveira (Armored Dawn)

É impressionante como a banda tem crescido como o novo destaque nacional no cenário mundial. Formada por talentos reconhecidos no underground em bandas como Eterna, União, minha amazônica Glory Opera e, of courseMad Old Lady. Além de contar com o baterista Rodrigo Oliveira da icônica banda thrash Korzus. Mas sente o nível: a  Armored Dawn tem música rolando na rádio e vídeo clipes cinematográficos. Olha só! :




Da Rússia (apesar do nome em alusão ao Épico da Gênese Finlandesa), vem o KALEVALA, para nosso palco. Essa banda traz a marcante influência da música "Sami", o povo original da Escandinávia e Lapônia. A influência vêm dos pais da vocalista, que são finlandeses. Confesso que nunca tinha parado pra ouvir esses caras antes do show, e me impressionei. Ainda mais ao vivo, mandam muito bem.





Os italianos do ELVENKING trazem um folk bem melódico, alegre e cheio de fantasia, numa vibe meio trombada de Rhapsody com Skyclad. Recentemente eles lançaram seu novo álbum "Secrets of The Magick Grimoire", e levaram ao frenesi os fãs que há muito esperavam por esta apresentação no Brasil. Show bom de pular, dá uma conferida nesse vídeo que achei pelo Youtube!




Pra fechar na martelada, mais uma vez o ENSIFERUM decretou o palco do Carioca território finlandês. Aliás, a única banda sem nenhum laço "biológico" com a Finlândia a subir no palco foi o Elvenking... mas querem saber uma curiosidade interessante? os Finlandeses NÃO ERAM VIKINGS. *risos*. Os Vikings eram de fato escandinavos (não,os Finlandeses também não são escandinavos) e provenientes da Noruega, Suécia, Dinamarca, Islândia e Ilhas Faroé. 
Mas que isso não desmereça o inspirador espírito épico de batalha de Petri Lindroos e sua turma. Com destaque para a sanfoneira Netta Skog, que também é bem inspiradora...


Assim rolou mais um evento memorável pra curtir boa música com os amigos, colecionando histórias (muitas), fotos (poucas) e transformando nessas resenhas sem nenhum valor crítico, mas recheadas de lembranças boas que vão ficar para sempre..!

Minha única "reclamação" (tá mais pra "sugestão"): faltou um folk mais brasileiro para representar. Não na origem, mas na sonoridade. E não é por falta de banda, não..! Brasilzão tá cheio de"forró-metal e heavy-baião" pra colocar no palco. 

Amei cada minuto, e não vejo a hora do próximo arrasta-pé!


quinta-feira, 16 de novembro de 2017

FANFICS: Acesso livre para as fantasias dos fãs.

Fanfic é uma coisa que eu sempre soube que existe. A arte de se criar histórias fictícias originais a partir de personagens criados por outras pessoas ou personalidades reais. Mas, geeeeeente..! Quando resolvi pesquisar por fanfics com algumas das minhas bandas favoritas, encontrei coisas de fazer corar Dercy Gonçalves..!



Até mesmo o repertório de bandas encontradas é muito mais extenso do que eu imaginava que encontraria. Quem diria que pululam fanfics eróticas do ANGRA, em todas as suas fases...! 
Em um dos sites mais conhecidos e indicados pelas fifis, - Rockfic.com - o GUNS N' ROSES lidera o ranking da banda mais citada. Bem atrás vem o MEGADETH, seguido pouco abaixo pelo BON JOVI, e depois IRON MAIDEN com MOTLEY CRÜE fechando o "Top Five".

Das bandas mais "underground", o troféu de Reis Absolutos da Fanficzada toda vai para a SONATA ARCTICA (!!). Claro, como esperar menos da boyband mais sensual da história do power metal? CHILDREN OF BODOM, RAMMSTEIN e NIGHTWISH também aparecem um tanto. E SABATON, APOCALYPTICA, DEF LEPPARD, STRATOVARIUS, até SAVATAGE a galera não perdoa.

Surpreendentemente, POISON, PRIMAL FEAR, TYPE O NEGATIVE e outras bandas apimentadinhas não parece fazer muito sucesso entre "fanficters" (ou sei lá como chama o autor desse tipo de fantasia literótica). Mas gente, dá pra achar até FREEDOM CALL no babado, vai vendo. Claro, quanto mais popular a banda, no geral, mais citações ela vai ter. AVENGED SEVENFOLD, como era de se esperar, tem um dos fandoms mais pervertidos que eu nunca nem tinha imaginado...*spooky*

Muitas das histórias têm conteúdo homoerótico, sendo histórias de amor e sexo entre membros da própria banda,  roadies, tour managers e até fãs.  Vejam vocês que essa figura do groupie masculino, do fã que vai atrás da banda atrás de sexo, é bem menos assimilada no meio do que a sexualidade do Rob Halford. Mas tão possível quanto. Aliás, este fenômeno da bi/homossexualidade ser tão explorada nos contos eróticos dos fãs é um assunto interessantemente abordado no livro "Queerness in Heavy Metal Music : Metal Bent" escrito por Amber R. Clifford- Napoleone.

ALEXI LAIHO, TOBIAS SAMMET e TONY KAKKO parecem ser os preferidos das meninas, que geralmente descrevem longas histórias de romance antes de nos deleitar com suas fictícias experiências com os fictícios namorados compartilhados com muitas outras autoras, em vários idiomas. Vale ainda notar que esse tipo de pesquisa faz mesmo as pessoas se perguntarem por quê algumas garotas metaleiras têm uma notória obsessão pela Finlândia.  Né por nada, não, mas os contos mais melacalcinha têm um monte de nomes com tremas e letras dobradas.

Não são muitos contos que encontramos em português (mesmo os com músicos brasileiros). Cadê a arte da fifizada tupiniquim? Desapega dos fatos, amigues! Procura lá no fundo da imaginação: em qual evento você vai vipar essa noite? 😏











segunda-feira, 13 de novembro de 2017

LANÇAMENTO : Finally, "The Dark Element" na íntegra !

10 de Novembro de 2017: acabou a espera! Primeiro ato do dia foi conferir na íntegra o álbum auto-intitulado "The Dark Element", projeto do guitarrista e compositor Jani Liimatainen com a carismática vocalista Anette Olzon.
Este projeto foi anunciado pela gravadora Frontiers Music Srl há mais de um ano, com a promessa do próprio presidente Serafino Perugino de ser "uma aliança entre dois gigantes da música" em "um álbum que vai deixar todos os fãs de power e melodic metal muito felizes!"



Marquetismo à parte, o italiano sabe que o público não esperaria menos. O projeto chamou a atenção principalmente por marcar a volta de Anette Olzon ao heavy metal, após sua notável (e conturbada) passagem pelo Nightwish. Vocalista original de uma banda de rock alternativo (Alyson Avenue), Anette esbanjou talento nos álbuns "Dark Passion Play" e "Imaginaerum", mas sua presença em substituição à Tarja Turunen causou estranheza em uma parcela mais radical dos fãs.

A coisa foi feia: além de sofrer uma espécie de boicote dos próprios colegas.(<--clicaí no link pra entender o rebu) em 2008, durante a turnê no Brasil, por conta do esgotamento emocional e manifestações violentas de fãs, ela chegou a deixar o palco de um dos shows, em prantos.

A carreira de Liimatainen também tem suas polêmicas, apesar de "não ter tido tanto drama quanto as pessoas gostam de pensar" - segundo o próprio em entrevista para a BraveWords (2009). Sua separação da Sonata Arctica, oficializada em 2007, dividiu os fãs da banda e mantém até hoje uma "velha guarda" saudosa.

**UPDATE**: Assim que essa resenha foi publicada, um "Nony" superantenado passou a dica nos comentários, que eu vou traduzir aqui prazamigue porque é baaaaapho! 😍:  "Também: Jani 'Hurtsi' Hurula é o cara por trás da bateria da banda Silent Voices, também conhecida como a primeira banda de dois serumaninhos fofos bem conhecidos, que por acaso tocam teclado e baixo para a ex banda de Jani Liimatainen, Sonata Arctica. É, a Finlândia é grande como um ovo..."


Em tempo: quando alguém me fala que a Finlândia é um ovo: 


***
É inegável que "The Dark Element" seja um filhote musical de Jani Liimatainen que saiu à cara do pai: seu trabalho criativo  como compositor, e a atuação do baixista Jonas Kulberg e do baterista Jani Hurula nas gravações e nos vídeos, reforça a impressão de que Anette apenas substituiu o vocalista Timo Kotipelto nos vocais da Cain's Offering.

Mas são as sutilezas que diferenciam "The Dark Element" como um cenário perfeito para reconduzir Anette de volta ao panteão das divas do metal - em grande estilo.

A divulgação do álbum tem sido intensa, com uma movimentada página no facebook (<--clicaí e segue!), e resenhas elogiosas pipocando ao redor do mundo desde as primeiras faixas liberadas ao público. Outro aspecto interessante é que o projeto tem atraído também o interesse de fãs de outras vertentes, especialmente o rock alternativo que revelou Anette. A abordagem mais "pop" em relação a outras bandas de metal com vocais femininos no cenário atual, sem no entanto soar comercial demais, pode ter sido uma excelente estratégia.

Fica a dica pra fifizada gótica suave que não agüenta mais Evanescence..! 

Partiu fazer uma análise "track-by-track":




"The Dark Element": Primeira impressão a ser disponibilizada para o público, o áudio da faixa-título foi uma bela promessa aos fãs do tradicional, cumprida com louvor quando do lançamento do álbum. Uma ótima introdução, mas é apenas o começo.



"My Sweet Mystery": Lançada em setembro, com o primeiro vídeo na Loudwire.com e uma excelente repercussão do público. Fãs de Anette identificaram um quê de "Bye Bye Beautiful". Já os fãs de Cain's Offering se deliciaram em identificar notas da canção "Antemortem". Mas todos concordaram que a combinação de talentos na canção ficou fenomenal. Quase tão fenomenal quanto a expressão do baterista nesse vídeo. Isso é que é fenômeno.

"Last Good Day" : E se a idéia de misturar Nightwish com Cain's Offering ainda não te empolgou, pule esta faixa. Na minha opinião pessoal, é a que extrapola essa sensação de "mais do mesmo", ainda que o "mesmo" seja de uma qualidade exemplar. Porém, que não se perca as esperanças! Aí vem...





"HERE'S TO YOU" :  Acho que nem sou capaz de analisar essa faixa racionalmente e de forma imparcial, porque é exatamente o tipo de música que me faz molhar as calçolas de emoção. Uma explosão colorida de purpurina rock pop com sabor oitentista, backing vocals bem marcados, um refrão que derrete no ouvido, guitarras loucas de alegria e uma letra digna de musical adolescente. A canção "vazou" na internet no começo de outubro e acabou sendo disponibilizada de forma oficial pela banda. Sorte dos fãs.

"Someone You Used To Know" : Depois da euforia, hora de cortar os pulsos. É a "Melô da Trouxiane". Quero ver que olhinho não enche de lágrima ouvindo a Anette implorar pra ser capacho, questionando a própria beleza, se humilhando pra ser qualquer coisa, até "alguém que você costumava conhecer". Um show de baixa autoestima, numa balada altamente show.





"Dead To Me" : Awwww... Ficou na bad com a faixa anterior? Calma, fifizada, agora aumenta o som e quebra tudo!! "Dead To Me", além da letra deliciosamente vingativa, tem um trabalho vocal de arrepiar. Pra mandar o bofe à m**** com estilo. Os rugidos de Niilo Sevänen (Insomnium) dão o tom visceral do babado. Pesadíssimo. Agressivo. Sexy as fuck.

"Halo" : Outra dessas faixas que poderia facilmente emplacar nas paradas das rádios pop rock dos anos 80. E uma das que melhor demonstram quanto essa parceria entre a sonoridade de Jani e a voz de Anette deu certo.

"I Cannot Raise The Dead" : Alerta "vento nos cabelos"!! Essa música ensolarada e cheia de notas leves, com cara de domingo de manhã, parece feita sob medida para deixar as coisas ruins pra trás e seguir em frente pela estrada até onde ela quiser te levar. Um momento redentor.





"The Ghost And The Reaper": No mesmo dia do lançamento do álbum, foi divulgado também o segundo videoclipe do projeto. Um excelente trabalho de fotografia, mas sem muitas novidades cenográficas: o diferencial fica por conta da própria música, que é a peça mais "teatral" do disco, com uma linha vocal bem criativa e arranjada, em um refrão que flerta com o progressivo. Até o baterista se empolgou.

"Heaven Of Your Heart" : Uma balada magnífica, se a intenção é fazer até caminhoneiro brutamonte suar pelos olhos. Anette, xuxu, desapega desse bofe, ele não te merece..! *risos*

"Only One Who Knows Me": Tá, apesar de ser bonitinha e ter uma atmosfera que por algum motivo me lembra aquele europop  noventista, achei que essa é a única faixa do disco que não valorizou e nem foi valorizada pelo timbre da vocalista. Mas a pequena decepção ficou mesmo pelo final em fade. Poooxa, Liimatainen, tu jura que depois dessa tracklist F*D*A, cês vão sair assim, de fininho?..
...
...
...
...então, tá. E pra essa resenha também não terminar em fade, fica o Making Of do álbum. Sem legendas, mas com muita gente bonita!







terça-feira, 7 de novembro de 2017

PUMPKINHEADS REUNITE ! : O megashow do Helloween que lacrou a vida de muita gente!

Finalmente venho à vocês fifizes e fifizos contar sobre minhas impressões do tão esperado HELLOWEEN: PUMPKINS UNITED, um evento talvez mais esperado entre essa delicia de povo underground do que o próprio Rock In Rio. Quase toda a turma já estava de ingresso na mão desde o ano passado para ver MICHAEL KISKE, ANDI DERIS, MICHAEL WEIKATH, KAI HANSEN .... juntos ao vivo em um encontro que seria eternizado em um DVD.

O Espaço das Américas, com capacidade para 9.000 pessoas teve casa cheia nos dois dias. SOLD OUT, galera. "Parece reunião de escola!", cheguei a comentar com um amigo que veio de longe (muito longe) pra esse show. A certeza de que todo mundo estaria lá, a expectativa de relembrar grandes momentos, bater cabeça até descolar do pescoço, cantar até perder a voz..!
Carlos Fernandez ( Mister Twisted ) e a goddess Lady Evil

Droga, nessas horas eu lamento não ter um celular com câmera para registrar toda a gente linda com quem tenho a honra de compartilhar as memórias desse fim de semana PERFEITO.  Renata Petrelli (Sinaya), Heloísa Vidal (FreePass), Eric De Haas (Dynamo Brazilie), Priscilla Rodrigues, e ainda tive a honra de curtir uma pista vipaça ao lado de feras como Eric Claros ( Children Of The Beast ), Bruno Sutter (Detonator-Massacration) e o legendário Warrel Dane (Nevermore).  Conto mesmo, esnobo mesmo, porque eu sou sortuda demaaaaaaais..! *risos*

Com Leila Camargo, que veio de Pederneiras-SP ! 

Até a foto tremeu com a presença ilustre da chefinha Isabele Miranda (Maximus Music Channel) na pista!

Olha, pra quem não foi ter idéia de quão maravilhoso foi esse show, vamos botar o dedo no dodói: os problemas técnicos ocorridos em ambas as noites de show.  Não foram deslizes facilmente perdoáveis (como o Kiske escorregando na letra de Keeper Of The Seven Keys 😂😂), mas problemas que chegaram a afetar o andamento do show. E mesmo assim, a crítica brasileira, sempre tão apegada aos detalhes, pegou leve com o caso.

 A zica chegou derrubando o backdrop video e ceifando grande parte dos efeitos audiovisuais da apresentação no sábado. No domingo,  a queda total do P.A interrompeu o show por cerca de vinte minutos. Mas o que a gente mais se lembra, é que, sem os vídeos do telão, os músicos interagiram muito mais com o público. E como a galera continuou cantando, e cantou mais alto ainda quando o som veio abaixo. Rapaz, foi bonito de ver, ó. Foi lindo. Tô chorando até agora.

O setlist foi muito bom. Colocaram algumas das minhas músicas favoritas, mas acho que três horas de show não contemplaria TODAS as preferidas de nenhum fã. *risos*.  Abrir com "Halloween" era um must. Adoooooro "Dr. Stein", e, á propósito, me A-PAI-XO-NEI pelo Seth & Doc, as abobrinhas animadas. Claro, desenho animado é comigo mesmo. Aliás, desenho animado, balões, "rodinha", fantasias... sério mesmo, aquilo tava melhor que "Xou da Xuxa": não teve um marmanjo que não virou criança. E eu, que já sou mulherzinha, sorveti em lágrimas com "Waiting For The Thunder" e "Forever And One".

Ok...bora encarar a realidade, eu tava chorando até no solo de bateria.

minisheme.blogspot.com.br

...Que venha logo esse DVD!😻😻😻😻